Arte16 Admitir o erro

ADMITIR O ERRO

Essa é velha, mas a gente sempre esquece: o erro “faz parte”.

Acasos, erros e imprevistos fazem parte do processo de criação. Muitos são os críticos de uma obra que sai inteirinha, de primeira, toda planejada do início ao fim, sem intercorrências…

Chaplin se encantava quando uma cena não prevista virava uma cena genial no filme; o pintor Paul Klee, nos seus diários, disse ter fabricado uma textura incrível a partir de uma mistura errada de ingredientes… Erros que viraram êxitos não faltam por aí (nem por aqui, acho).

Mas, não tem jeito: no calor do erro, eu (me) odeio, você não?

Dos meus cadernos de criação: “Admitir o erro como processo”, Paul Valéry (1871-1945), filósofo, escritor e poeta francês

TO ADMIT THE ERROR

Chaplin was enchanted when an unexpected scene became a genius scene in the film; the painter Paul Klee, in his diaries, said to have made ​​an amazing texture from an wrong mixture of ingredients… Errors that became successes aren’t lacking out there (neither here, I think).

But, no way: in the heat of the error, I hate (myself), don’t you?

From my creation notebooks: “Admit the error as process,” Paul Valéry (1871-1945), philosopher, writer and French poet

Deixar uma Resposta

2 comentários

  1. Principalmente em alguma receita de pão…rsrsrs