Em frente a fachada, este pequeno jardim zen atravessa as estações e os anos: em silêncio, sereno, sem perturbações nem ervas daninhas, com suas ondulações delicadas.

Parece sempre igual, mas nunca é o mesmo. É refeito todos os dias por alguém com um ancinho…

Em plena região de tráfego intenso, uma amostra inspiradora da ancestral arte oriental, que privilegia a simplicidade do espaço, a fluidez e assimetria da natureza, o silêncio, a contemplação.

Deixar uma Resposta